Orgulho!

Orgulho!

domingo, 31 de maio de 2015

D. Maria Eloá ao lado da Poetinha do Sertão!


Foto para a história!
Nestas casualidades da vida aconteceu este encontro, numa esquina de Cachoeira do Sul.


Da esquerda para a direita: a neta Loiara dos Santos Lopes, a filha Maruciara Ramos dos Santos, D. Maria Eloá,Valéria Fagundes, a 'Poetinha do Sertão', Janice Otaran, Gleci Hoffmann e Neiva Lazarrotto durante a Feira Municipal do Livro (2008)
Foto: Renate Elisabeth Schmidt
Durante a Feira do Livro do Município do ano de 2008, veio a Cachoeira do Sul como convidada, Valéria Fagundes, que trabalhou no filme de João Jardim, 'Pro dia nascer feliz'. Pois numa esquina da casualidade encontrou-se com D. Eloá, brava lutadora pela causa dos negros recentemente falecida. 
Na imagem também aparecem Gleci Hoffmann, diretora do Núcleo local do CPERS, (Centro de Professores do Estado), Neiva Lazarroto, na ocasião membro da diretoria do CPERS estadual, Janice Otaran que juntamente com Renate Elisabeth Schmidt, organizaram a vinda da 'Poetinha' à cidade de Cachoeira do Sul.

sábado, 30 de maio de 2015

A CHINA E A DESTRUIÇÃO DO PALÁCIO DE VERÃO*


A China e a destruição do Palácio de Verão*

*Voltaire Schilling

Professor de História!
Como que dando um derradeiro aperto de alicate no debilitado império chinês, lorde Elgin o comissário britânico para os assuntos do Oriente, no final da Segunda Guerra do Ópio (1856-1860), determinou que no dia 18 de outubro de 1860 o exército franco-britânico destruísse totalmente o Palácio de Verão do imperador. Deste modo, foi-se para sempre uma das maravilhas do mundo, forçando os chineses a engolir mais uma amarga porção da taça de humilhação que o colonialismo lhes preparou.

O Palácio de Verão do Imperador

Antes de tudo, o que os chineses chamavam de Jardins da Perfeita Claridade ou simplesmente de Jardins Imperiais, eram enormes, estupendos. Cinco vezes mais extensos do que a Cidade Proibida, morada oficial do imperador em Pequim, e oito vezes o tamanho do Vaticano, sede do Papado em Roma. Os seus prédios haviam sido projetados por arquitetos europeus, o jesuíta italiano Giuseppe Castiglione e pelo francês Michel Benoist, pessoalmente selecionados pelo imperador Qianlon (1736-1796).
Os dois maiores templos eram denominados de Virtude Budista e Mar da Sabedoria, havendo ainda uma torre erguida ao Incenso Budista.
Os jardins tinham nomes etéreos: o do Brilho Perfeito, da Eterna Primavera e do Espírito Elegante, estendidos por quase 300 acres. Tanto o antigo palácio de verão (Yiuan Ming Yuan), como o novo (Yihe Yuan), produto do restauro ordenado pela imperatriz Cixi Dowager (1861-1908), distanciava-se oito quilômetros dos muros da capital e doze do seu centro.

Não pouparam recursos para deixar os interiores dos edifícios confortáveis e extremamente luxuosos. Victor Hugo , que soube da existência deles por relatos que lhe fizeram, disse que eram “um sonho construído em mármore, jade, bronze e porcelana.” De certo modo, vinha a ser o Palácio de Versalhes da dinastia Qing, construído ao longo dos séculos XVIII e XIX.
Como uma das pequenas jóias daquela arquitetura que visava o fabuloso e o magnificente, destacava-se o belvedere construído a beira do lago Kunming dedicado ao Deus da Literatura, local de repouso e de leitura. O escritor francês comparou aquilo tudo com as pirâmides do Egito, o Coliseu de Roma, e mesmo com a catedral de Notre-Dame de Paris. Um orgulho da humanidade, uma maravilha sem fim. Todavia seus dias estavam contados.
(*) A primeira carga de ópio a chegar na China, chamada pelo próprio diretor da Honourable East India Company , a Companhia Britânica das Índias Orientais, como “mercadoria perniciosa” , deu-se em 1781. Devido ao déficit gerado pela importação de chá e de porcelana, produtos que caíram no gosto da sociedade inglesa, os britânicos decidiram se compensar vendendo-lhes ópio em troca (produto extraído das plantações de papoula existentes no Bengal, ao norte da Índia, controlada pela Companhia das Índias desde a bata1ha de Plassey de 1757).

Imagens raras datadas de 1860
Ruínas do Palácio de Verão

A Segunda Guerra do Ópio

1856 - 1860

Papoula
O Império da China já havia capitulado anteriormente frente aos britânicos durante a Primeira Guerra do Ópio (1839-1842), assinando então o primeiro dos acordos que muito o infelicitaram: o Tratado de Nanquim de 1842, que praticamente o forçou a ser importador permanente de ópio, além de ter que ceder uma das suas ilhas, Hong Kong, situada na embocadura do rio das Pérolas, no sul do país, aos traficantes ingleses. Além disso, teve que aceitar a presença deles nos portos de Cantão, Amoy, Foochowfoo, Ningpo e Xangai. Arrematado com a exigência do imperador comprometeu-se a pagar uma indenização de guerra no valor de U$ 21 milhões de dólares. Inclusive os traficantes ingleses que tiveram suas mercadorias apreendidas e destruídas por Liu Zexu, um diligente mandarim, foram generosamente “indenizados”.
Todavia, o governo chinês continuava negando-se a aceitar embaixadores na sua capital ou a conceder outros portos situados mais ao norte para que os ingleses ampliassem seus negócios.
Bastava pois um pretexto qualquer para que as forças colonialistas se lançassem numa nova guerra, visto que tinham certeza da imensa fraqueza da marinha e do exército chinês frente à superioridade bélica e o poder dos barcos a vapor dos ocidentais. E tal oportunidade surgiu resultante do desentendimento provocado por um barco de contrabandistas chineses, o Arrow, que navegava sob a proteção da bandeira britânica. Incidente que ocorreu no dia 8 de outubro de 1856. O cônsul britânico de Cantão (hoje Guanzhou) alegou num relatório enviado ao parlamento em Londres que a flâmula de Sua Majestade fora injuriada pela polícia chinesa que se negou a apresentar desculpas.
Foi o que bastou para uma nova declaração de guerra fosse anunciada contra Pequim. Todavia, os britânicos não queriam marchar sozinhos. Para tanto, ofereceram a oportunidade para que Napoleão III se juntasse a eles. A recente morte de um sacerdote francês, padre Augustin Chapdelaine, numa cadeia chinesa, ocorrida em fevereiro daquele mesmo ano, serviu-lhe de pretexto para irmanar-se à gente da rainha Victória em mais uma campanha expedicionária contra a China.
Sob o comando do lorde Elgin e do barão de Gros, a começar por Cantão, quase toda a China meridional caiu nas mãos dos colonialistas em menos de um ano. Em 1858 foi a vez dos fortes do Norte serem submetidos um a um ao poder invasor. Muitos deles defendidos por generais acovardados e incompetentes que abandonaram as muralhas à primeira rajada de tiros dos canhões dos colonialistas. A estrada para a capital imperial estava então aberta.

Fumando ópio

Mais um tratado infame

Mas antes de ocupar a capital imperial as potencias vitoriosas impuserem um novo tratado aos chineses: o múltiplo Tratado de Paz, Amizade e Comércio de Tiansin, assinado em 26 de junho de 1858, determinando em seus pontos principais que:

a) a Grã-Bretanha, a França, a Rússia e os Estados Unidos tivessem o direito de estabelecer ligações diplomáticas em Pequim;

b) mais dez portos fossem abertos ao comércio estrangeiro;

c) os barcos estrangeiros pudessem navegar pelo rio Yangtze;

d) os missionários cristãos pudessem adentrar no interior da China;

e) o governo chinês deveria indenizar seus agressores em dois milhões de taels (medida chinesa) de prata a cada um deles;

f) por igual, deveria indenizar no mesmo valor, isto é, dois milhões de taels, os comerciantes ingleses por danos sofridos durante a guerra. A guerra ainda não cessara.

O Imperador Xian Feng resistiu a colocar sua assinatura em tal sucessão de afrontas, o que levou a que uma nova expedição militar anglo-francesa, comandada pelos generais James Hope Grant e Cousin-Montauban, navegasse em direção ao golfo de Bohai com 17.700 soldados, transportados em 173 barcos. O destino da desditosa China viu-se decidido na batalha de Palikao, travada nas proximidades da capital imperial, no dia 21 de setembro de 1860.

A China e a destruição do Palácio de Verão

Colonialistas em Pequim

Com apenas 1/3 das forças dos chineses (eram 10 mil contra 30 mil) os colonialistas abateram-nas de modo impiedoso. Graças à superioridade técnica e a potência das suas armas, a cavalaria mongol foi destroçada pela fuzilaria anglo-francesa enquanto a infantaria foi posta a correr. Xien Feng, preservando-se, retirou-se da cidade deixando o príncipe Gong com a ingrata tarefa de negociar com os vencedores a capitulação da dinastia.
No dia 6 de outubro os invasores ocuparam a Cidade Proibida em Pequim e, num primeiro momento, submeteram ao saque um dos palácios imperiais. Em seguida, arrancaram das autoridades locais que haviam restado a chamada Convenção de Pequim, acertada em 18 de outubro de 1860, que, além de confirmar os artigos danosos do tratado de Tiansin, alienou ainda mais territórios aos estrangeiros. Pelo imperador chinês ter encarcerado alguns negociadores britânicos e morto outros 20 homens brancos (inclusive um repórter do Times de Londres), lorde Elgin engendrou uma brutal vingança.

A VINGANÇA DE JAMES BRUCE, 8ºLORDE DE ELGIN

O verdugo do Palácio de Verão do Imperador, Elgin




Naquele mesmo dia, o 18 de outubro, data infeliz para a história da cultura, ele determinou que 3.500 soldados adentrassem no Palácio de Verão com a tarefa de destruí-lo. Por três dias seguidos, não antes de pilhá-los, os pelotões anglo-franceses explodiram ou colocaram fogo nos magníficos edifícios. Os que se diziam representantes da civilização e da cultura a mais elevada da terra não hesitaram em agir como verdadeiros selvagens frente aos chineses. 








Imperador Xian Feng
O imperador Xian Feng, ainda que com apenas 30 anos de idade, não resistiu à dor e a indignação daquela derrota vindo a falecer no seu palácio em Jehol, em 22 de agosto de 1861.

Repercussões

O então jovem capitão do regimento dos Engenheiros da Rainha, Charles Gordon (mais tarde famoso general colonialista, morto em Cartum, no Sudão, em 1885), se bem que lastimou a operação, que ele entendeu indigna do exército britânico, lamentou numa carta a um colega que seus homens encarregados da destruição dos palácios não tiveram tempo suficiente para por tudo a baixo. Pior ainda foi não terem conseguido levar as placas de fino ouro afixadas em muitas das paredes, pois confundiram-nas como simples latão.
Belvedere do deus da Literatura

Ruínas do Palácio de Verão do Imperador da China
Imagem de 1860

Ruínas do pouco que sobrou

Quando um oficial inglês conhecido de Victor Hugo mandou-lhe correspondência exaltando o feito, “honorável e glorioso”, das forças anglo-francesas delas terem arrasado com aquelas construções, o escritor se indignou. Considerou os jardins como uma obra-prima desconhecida pelos europeus, uma das grandes maravilhas que se encontrava numa das esquinas do mundo oriental. Comparou o ato predador dos colonialistas à rapinagem de dois bandidos, “um chamado França e o outro Inglaterra”, que entram num museu para depredá-lo, retirando-se em seguida de mãos dadas carregando várias sacolas com o produto do saque. Esperava que a França algum dia devolvesse o botim à China.
Ele foi um dos poucos intelectuais europeus do seu tempo a entender que as potências ocidentais, sempre tão ciosas de serem vistas como paradigmas da civilização, haviam cometido um crime de lesa-cultura de dimensões incalculáveis. 

(Ao capitão Butler /Hauteville House, 25 November, 1861).


Hauteville House, 25 de novembro de 1861.

(…) segundo o senhor, a expedição da China, sob o duplo estandarte da rainha Vitória e do imperador Napoleão III, é uma glória a ser dividida entre a França e a Inglaterra. O senhor deseja saber qual é a aprovação que crédito a vitória.
Já que o senhor quer saber, aqui está:  era uma vez uma maravilha do mundo; esta maravilha se chamava Palácio de Verão. (…) Esta maravilha desapareceu. Um dia, dois bandidos entraram no Palácio de Verão.  Um o pilhou e o outro, o incendiou.
(…) Todos os tesouros das nossa catedrais reunidas não se igualam ao esplêndido e formidável museu do oriente.  Lá, não havia somente obras-primas, mas também um depósito de ourivesarias.
Pagode do Palácio de Verão incendiado a mando do 8º Lorde de Elgin

Elgin e sua quadrilha

Grande feito, bom ganho. Um vencedor encheu os bolsos, no que o outro viu, encheu seus cofres; voltaram para a Europa, de braços dados dando gargalhadas.
Esta é a história de dois bandidos.
Nós Europeus, somos civilizados, e para nós, os chineses são bárbaros.  Isto é o que civilização fez à barbárie.
Diante da história, um bandidos se chamará França e o outro, Inglaterra.
(…) Espero que um dia virá quando a França, livre e limpa, devolverá o saque à China espoliada. Enquanto esperamos, constato: existe um roubo e dois ladrões. Está é, meu senhor, a aprovação que faço à expedição à China.
Victor Hugo

Karl Marx, em artigos ao New York Daily Tribune, cobrindo os eventos do Extremo-Oriente, ateve-se às questões comerciais e econômicas da Segunda Guerra do Ópio, não emitindo opinião sobre o ato de vandalismo dos europeus contra o patrimônio histórico da China.
No entender dele, um exaltado admirador da globalização, o grande mérito da agressão britânica foi ter posto a baixo o Império Celestial que até então teimosamente se negava a fazer parte do comércio internacional. Era uma excrescência bárbara que tinha que ser arrancada do seu torpor e trazida ao mundo moderno ainda que fosse pelo constrangimento dos canhões. O capitalismo, afinal, era muito superior ao despotismo oriental. Numa das suas frases que ficou famosa, acreditou que a história tinha decidido primeiro drogar os chineses para que assim, mais tarde, “eles pudessem vir a romper com sua estupidez hereditária”.

China : principais Tratados & amp; Concessões (1842 - 1901)

1842 - Tratado de Nanquim , assinado em 29 de agosto de 1842: a China concede à Inglaterra, em razão da sua derrota na 1ª Guerra do Ópio, a abertura de cinco portos (Cantão, Fuzhou, Xiamen, Ningbo e Shangai), a entrega a ilha de Hong Kong em caráter perpétuo e uma indenização aos traficantes expropriados por Lin Zexu, no valor de 6 milhões de liang de prata, além disso pagam mais 12 milhões aos ingleses como despesa de guerra. Pelo Tratado complementar de Hu-men, de 1843, a Inglaterra recebe o tratamento de nação mais favorecida, fazendo com que suas mercadorias paguem apenas 5% de imposto ad valorem.

1844 - Tratado de Wangxia: assinado com os E.U.A. em fevereiro de 1844, onde todos os privilégios concedidos aos ingleses são estendidos aos americanos , inclusive o direito de enviar barcos de guerra aos portos abertos ao comércio para proteger os interesses dos negociantes americanos.

1844 - Tratado de Huangpu: assinado com a França , em outubro de 1844. Confirma os privilégios concedidos nos tratados anteriores, mais o fim da proibição de difundir o catolicismo nos portos abertos ao comércio.

1858 - Tratado de Tianjin: tratado múltiplo, assinado em junho de 1858, com a Grã-Bretanha, Rússia, E.U.A.e França, como resultado da derrota chinesa na 2ª Guerra do Ópio (1856-1860). Estabelecimento de legações estrangeiras em Pequim. Abertura de mais 10 portos chineses ao comércio internacional ( Niuzhuang, Dengzhou, Tainan, Danshui, Chaozhou, Qiongzhou, Hankou, Jiujiang, Nanjing e Zhenjiang). Permite-se o livre trânsito dos estrangeiros, particularmente dos missionários cristãos, pelo interior do país e a livre navegação dos barcos de guerra. Fixa-se uma indenização de guerra a ser paga à Inglaterra e à França (4 milhões de onças de prata à primeira e 2 milhões à segunda). Dois outros tratados posteriores, o sino-britânico e o sino-francês, em 1860, aumentaram seu valor para 8 milhões de onças de prata. Os ingleses ampliaram seu domínio na região de Hong Kong ao se apropriarem da península de Kaulun. Legalizou-se em definitivo o comércio de ópio e os ingleses assumiram em conjunto com os chineses a administração alfandegária. Em 1860, outorgou-se a sir Robert Hart o cargo de Inspetor Geral das Aduanas, posição que ele manteve até 1908.

1858 - Tratado de Aihui, assinado com a Rússia, em maio de 1858, que, complementado com uma série de outros tratados , fizeram a China ceder 1.500.000 km2 do seu território. Mais tarde, em 1881, pelo Tratado de Yili, mais 90 mil km2 foram entregues aos russos., juntamente com os portos de Vladivostok e Port Arthur.

1895 - Tratado de Shimonoseki, assinado com o Japão, em abril de 1895, como resultado da derrota chinesa na guerra sino-japonesa de 1894-5. China cedeu a península de Liaodong ( mais tarde arrendada à Rússia por 25 anos), a ilha de Taiwan ( Formosa) e mais 235 pequenas outras ilhas, o arquipélago de Penehu ( ilhas dos Pescadores) e uma indenização de 200 milhões de liang de prata. Abriu também as cidades de Shanshi, Chongqing. Suzhou, Hangzhou e aceitou a tutela definitiva do Japão sobre a Coréia.

1897 - Arrendamento da baía de Jiazhou por 99 anos à Alemanha, bem como a permissão da construção de uma estrada-de-ferro ligando Jiaozhou a Jinan, com direitos de exploração das minas encontradas a 15 km de cada lado dela. Depois do Tratado de Versalhes, de 1919, a China reivindicou o controle dessa região, mas as potências coloniais entregaram-na ao Japão. Isso provocou o Movimento de Maio de 1919, início histórico da rebelião estudantil- nacionalista chinesa no nosso século contra o domínio colonial.

1899 - Política de “portas abertas” proposta pelo presidente Theodor Roosevelt dos E.U.A., segundo a qual todo o país que tivesse obtido concessões junto à China deveria partilhá-las com os outros, proclamando-se a “igualdade de oportunidades” e uma “divisão conjunta dos benefícios ”. Os governos da Inglaterra, Rússia, Alemanha. Japão e. Itália e França aceitaram.

1901 - Protocolo dos Boxers ( Movimento Yiethuan), assinado em 7 de setembro de 1901, pelo governo Qing da imperatriz-viúva Cixi, com as 8 potências colonialistas, como resultado da sangrenta intervenção militar conjunta delas em Pequim para sufocar a Rebelião Nacionalista dos Boxers (Yiethuan) que cercara as legações estrangeiras na capital imperial. Indenização de 450 milhões de taéis, ou U$ 333 milhões de dólares, a ser paga pelo governo Qing durante os 39 anos seguintes, até dezembro de 1940, quando, numa escala ascendente, atingiria a quase 1 bilhão de taéis. O governo imperial ficou também encarregado de executar a machado e à espada as principais lideranças do levante nacionalista dos boxers.
Boxers prsioneiros

Barbárie contra os prisioneiros boxers 

Farrapos humanos
Boxers prisioneiros

Líderes executados a "machado e à espada"
Ao fundo, em uniformes europeus, fiscais do bárbaro imperialismo
que cobriu a China no século retrasado de obscurantismo.
O "machado e a espada" tinham cumprido sua missão!

Boxers


Fortaleza de Dagu



Doravante chineses não poderiam entrar nos bairros das delegações estrangeiras as quais poderiam acantonar suas tropas, bem como obrigaram os chineses a desmontar a fortaleza de Dagu. Na prática Pequim poderia ser ocupada quase que instantaneamente por qualquer guarnição estrangeira acampada nos seus arredores.

DE BITOLS

Show da banda 'De Bitols' na terça feira,
Cine Via Sete às 20h30

Entrada: um kg de alimento não perecível!
The Bitols

Ricardo Lennon
Edson McCartney

Márcio Harrison


Edson Starr 
 Fotos e vídeos editados por Renato Thomsen.


domingo, 24 de maio de 2015

A HISTÓRIA RUSSA SEM CORTES


As  filhas de Nicolau e Alexandra

O último baile dos Romanov (1917)
Gustavo Spolidoro*


Aleksandr Sokuróv, diretor de Arca Russa não me parece uma pessoa normal. Faz um filme em um único plano-sequência de 97 minutos, nos dias da edição videoclipesca, porém com uma câmera digital. Faz um filme de arte, com arte e também sobre arte – o filme se passa todo no Museu Hermitage, em São Petersburgo, Rússia – porém com produção alemã, pois no país dele não houve e não há respaldo a seu trabalho, basta ver a frase que abre este artigo e o fato de que o filme não havia estreado na Rússia quase um anós após sua estreia na Europa.
Arca Russa, em pouco mais de uma hora e meia, transita por entre 35 salões, salinhas e corredores de um dos principais museus do mundo, o Hermitage, utilizando-se de quase 3 mil figurantes e contando parte de 300 anos da Rússia. No filme, encontramos Pedro, o  Grande, Catarina, a Grande, Catarina II, Nicolau e Alexandra Romanov e também a princesa Boris, que dirigiu a casa por 34 anos.

Algumas considerações sobre o Hermitage: a casa guarda mais de 3 milhões de obras dos séculos XVIII e XIX em seu acervo, mas só consegue mostrar 5% delas. O lote inclui a segunda maior coleção de Rembrandt do mundo, além de vastas coleções de arte flamenca, pintura impressionista mobiliários de valor incalculável e até uma grandiosa frota de carruagens douradas.
As escadarias esplendorosas

Pedro, o Grande 

O último baile
 Sokúrov, pelas mãos, olhos e câmera de Tilman Bütnner, diretor de fotografia, explora tudo isso com precisão, saudosismo e magnitude, entre bailes do século XIX, reuniões burocráticas dos antigos czares, peças de teatro promovidas por Catarina II, até momentos de decadência, como o cerco a Leningrado, que vitimou mais de um milhão de pessoas na II Guerra, mas que não permitiu a pilhagem do Hermitage. Sokúrov olha para esse cenário com orgulho. Seus personagens principais, o alter ego que conduz a câmera de forma subjetiva e de quem só ouvidos a voz, e o diplomata do século 19 chamado apenas de Europeu, nos guiam pelo palácio em diálogos que demonstram o orgulho do diretor para com seu passado, versus a incongruência de governos severos como o de Stalin, apontada e questionada em alguns casos pelo Europeu e repelida pelo alter ego.
Mas não podemos fechar os olhos para uma visão que se detém nos grandes acontecimentos do palácio, nos seus czares, bailes grandiosos, obras de arte e riquezas, mas que se esquece da existência de uma Rússia fora do palácio. Quando a mostra é na representação de um único homem, que constrói caixões para os mortos da II Guerra Mundial.
Sokúrov não foi o primeiro a fazer um longa em um único plano-sequência. Hitchcock em Festim Diabólico já havia ditado as regras, porém tendo de buscar cortes às escondidas, devido à impossibilidade de rodar tudo em um único plano, por causa do tamanho do filme. Mais recentemente, Mike Figgis apresentou seu Time Code, com uma tela dividida em quatro, em que quatro planos-sequência acontecem simultaneamente e em determinados momentos se intercalam. Porém, a magnitude da obra de Sokúrov, a coordenação de milhares de figurantes e atores, os sete meses de ensaios, a viagem nostálgica que faz no filme , a força de cenas complexas como o último baile da família Romanov, em 1917, a aula de história e arte e a criatividade do diretor colocam Arca Russa como um marco na produção cinematográfica mundial. 

Catarina II* passeando pelos jardins!
Catarina, alemã de nascimento, era simpática às ideias do Iluminismo,
incentivou  a vinda de imigrantes alemães para a região do Volga.
Durante a II Guerra, Stálin embarcou os alemães do Volga em trens e os enviou para a Sibéria.
Poucos sobreviveram, poucos retornaram muitos anos após.
(* Sophie Friederike Auguste von Anhalt-Zerbst, Stettin, Silésia, *2.5.1729 - + Tsarkoye Selo, 17.11.1796)

Durante o cerco a Leningrado, hoje São Petersburgo, que durou 900 dias
 parte das preciosidades do Museu
puderam ser evacuadas
As pessoas congelavam com o frio de  -30ºC, sem ter o que comer, morriam 1000 pessoas de fome
por dia nos piores dias do cerco

O cerco só afrouxou quando o Lago Ladoga congelou e permitiu a chegada de caminhões com
alimentos. Mesmo assim muitos afundaram no gelo e outros tantos foram alvo da artilharia ou da Luftwaffe
Os danos ao Museu foram pequenos se comparados ao sofrimento da população de Leningrado, hoje
São Petersburgo que comiam 200g de pão (pão?) por dia. Muitos casos de canibalismo foram
relatados!


O CERCO: o exército nazista, que invadiu a União Soviética em 22 de junho de 1941, fechou o cerco em torno de Leningrado em 8 de setembro do mesmo ano e o manteve durante 900 dias e noites, até que o Exército Vermelho conseguiu rompê-lo em 27 de janeiro de 1944. Foram três invernos russos sem comida, calefação, combustível. No último inverno as temperaturas oscilavam entre 30 - 40 graus negativos!
* Diretor de cinema, realizador dos curtas Velinhas (1998) e Outros (2000), ambos em um único plano-sequência.

Reportagem do Caderno de Cultura da Zero Hora
5 de abril de 2003.

sexta-feira, 22 de maio de 2015

O homem do 3º milênio está destruindo o 'Berço da Civilização'

OS TESOUROS ARQUEOLÓGICOS DA SÍRIA

Tomada  de  Palmira  pelo  "Estado  Islâmico"  desperta preocupação  internacional!

Os caminhos de Palmira

Túmulos em Palmira

Palmira, parte da província romana da Síria durante o
governo de Tíbério (14-37 d.C). Esta avenida marcada por
colunas, tem quase um quilômetro de extensão e foi
foi construída no século II d.C. Na entrada está o
Arco
de Adriano




No meio do deserto da Síria ficam as ruínas da antiga cidade de Palmira, que em tempos passados floresceu graças ao comércio. 

Por centenas de anos, caravanas de comerciantes passaram pela cidade, seguindo a chamada Rota da Seda, que ia até a China.

Quando os tempos áureos viraram história, as areias do deserto acabaram tomando conta a cidade.

    
Teatro em Palmira onde eram encenadas peças
orientais (em aramaico) e também nele
aconteciam lutas entre gladiadores.

"Queda de uma civilização"
        Segundo o criador do Observatório Sírio dos Direitos Humanos, Rami Abdulrahman, os combatentes do "Estado Islâmico" teriam chegado ao sítio arqueológico da antiga cidade de Palmira nesta quinta-feira, cedo da manhã, mas não há informações sobre atos de destruição no local.

        Organizações internacionais temem que o local, famoso por suas colunas romanas erguidas há 2 mil anos, tenha o mesmo destino de cidades históricas destruídas pelos terroristas no Iraque.

        As ruínas foram declaradas Patrimônio da Humanidade pela Unesco. A agência das Nações Unidas descreve o local como um cruzamento entre o Império Romano, a Índia, a China e a Pérsia antiga e um testemunho da diversidade da herança cultural da humanidade.

        O responsável pelo patrimônio histórico da Síria, Mamoun Abdulkarim, disse ter perdido as esperanças após a conquista dos terroristas. "Essa é a queda de uma civilização. A sociedade civilizada perdeu a batalha contra a barbárie", declarou.
Fonte: Deutsche Welle

APAMEA
Síria
Colunas brancas brilhantes e ruas pavimentadas

Belos mosaicos
Apamea, a antiga “Cidade Tesouro”, fica às margens do Rio Orontes, na Síria. Ela já foi a casa dos reis do Império Selêucida e mais tarde abrigou os romanos, chegando a ter uma população de 500 mil habitantes. Mais de um milênio depois, ergueu-se novamente, agora como uma base durante as Cruzadas. Suas magníficas ruas pavimentadas, belos mosaicos e colunas brancas brilhantes esculpidas com intrincados desenhos eram um espetáculo. Sua longa história fez dela um dos mais importantes sítios arqueológicos do Oriente Médio.

Durante o atual conflito na Síria, Apamea foi danificada de tal forma que muitos historiadores acreditam que nunca poderá ser restaurada! Não só a cidade foi devastada por bombardeios, também houve aqueles que se aproveitaram do caos para saquear o local, roubando seus tesouros. O lugar encontra-se agora devastado, suas colunas foram quebradas e seus mosaicos, destroçados.
Um dos mais importantes sítios arqueológicos do Oriente Médio




quarta-feira, 20 de maio de 2015

O horror, o horror! (Jósef Teodor Konrad Nalecz Korzeniowski, Coração das Trevas)

Autoridades (??) da Arábia Saudita anunciam oito vagas para decapitadores. O aumento do número de execuções motivou o anúncio!


        O número crescente de condenados à morte fez
autoridades da Arábia Saudita anunciarem oito vagas para executores. O decapitador deverá também realizar amputações a sentenciados por crimes menores. "O cargo" não exige qualificações*.
        Conforme o jornal britânico Daily Mail, o governo saudita não explicou o motivo do aumento de execuções**, mas diplomatas especulam que o crescimento ocorreu porque mais juízes foram nomeados, diminuindo, assim, a fila de processos.
        No formulário para inscrição ao cargo, os contratantes informam que os executores seriam classificados como "funcionários religiosos" e que eles estariam no extremo oposto da escala salarial da função pública.
**  Execuções são inclusive realizadas em plena via pública!
       
O horror, o horror!
Uma pessoa com estudo, bagagem cultural, humanista, atenderia a um chamado
desta natureza para exercer esta "profissão" bestial?

terça-feira, 19 de maio de 2015

Do caderno especial da Folha de São Paulo

·        Do caderno 'A saúde do Brasil'
    'semináriosfolha'
    Folha de São Paulo, 14 de maio de 2015
    Foram capturadas algumas frases significativas de um calhamaço de 12 páginas:
    
      # Em São Paulo, maioria que acaba de se formar em Medicina é da elite, fez cursinho e nunca trabalhou na vida;
·    # Os pais têm curso superior e ganham acima de 10 salários mínimos – condição de menos de 3 % da população brasileira;
·    # Quem estuda Medicina no Brasil pertence a uma elite muito distante da realidade brasileira em que 60% das pessoas vivem com menos de um saláraio mínimo;
·    # Afirma o presidente do Cremesp: “Acha que os filhos dessa elite vão querer atnder os muito pobres? Trabalhar em periferias ou áreas remotas? Não. Vão querer atender aonde vão ganhar mais”;
·     # De cada CEM FORMANDOS EM MEDICINA NO BRASIL, APENAS CINCO desejavam trabalhar em cidades pequenas;
·     # Só um quinto dos recém-formados queriam atuar em clínica geral, como nos programas de saúde da família;
·         “A maioria já tem um padrão socioeconômico elevado e quer mantê-lo. ESCOLHE AS ESPECIALIDADES VALORIZADAS pelo mercado, mais ligadas a TECNOLOGIAS e NÃO a HUMANIDADES”, diz Daniel Knupp, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade.
·         # 70% das 1100 vagas de residência em medicina de família ficam OCIOSAS todos os anos por falta de interessados. As vagas correspondem a 10% do total oferecido em residência médica no país.
·         # Mauro Luiz de Britt Ribeiro, vice presidente do CFM (Conselho Federal de Medicina), diz que o médico é um profissional como “outro qualquer”, atraído por leis do mercado. “Se o governo investisse em políticas que garantissem melhor remuneração e condições de trabalho, haveria mais procura”;
·         # Hoje, quase 60% dos novos médicos são mulheres;
·         # Entre os pontos positivos está o fato de a mulher preferir especialidades básicas, como pediatria e ginecologia;
·         # 361 pessoas abandonaram o programa federal ‘Mais Médicos’, um número considerado pelo governo bastante inferior comparado aos atuais 14.462 profissionais. Assim, ao todo, a taxa de desistência é de 2,5%, sendo que A MAIORIA DOS DESISTENTES SÃO MÉDICOS BRASILEIROS;
·         #Anunciado em 2013 como principal vitrine social do governo Dilma, o “Mais Médicos” previa alocar profissionais principalmente na rede BÁSICA DE SAÚDE em LOCAIS PRIORITÁRIOS, como CIDADES REMOTAS E PERIFERIAS;
·         # A  vinda de médicos de Cuba garantiu que a meta fosse atingida ( o governo queria chegar à marca de 13 mil profissionais em 2014). Hoje os cubanos representam 79% do total de médicos em atuação; 
Médicos cubanos em visita ao Museu Municipal de Cachoeira do Sul  - Patrono Edyr Lima
em 4 de abril de 2014. Da esquerda para a direita: Dr. Cosme Damian Carnero Del Toro,
Dra. Annie Ramos González, Dr. Alberto Ochoa Gamboa, Dra. Aliuska Arcia Toirac
e Renate Elisabeth Schmidt. O Dr. Cosme atua na USA4, no Centro Social Urbano;
a Dra. Annie também atua na USA4, no Centro Social Urbano;
Dr. Gamboa atua na localidade de Piquiri, interior do município de Cachoeira do Sul
e a Dra. Aliuska atua na USA14, no Bairro Marina.
           # Se os CUBANOS ainda predominam, na nova etapa do ‘Mais Médicos’, lançada neste ano, OS BRASILEIROS LIDERAM AS INSCRIÇÕES;
·         # Frieza do médico é queixa comum entre pacientes;
·         # Exame de avaliação REPROVA mais da metade dos jovens em SP, mas não impede ninguém de exercer ofício;
·         # O Brasil precisa melhorar a quantidade dos médicos, mas também precisa de um número maior desses profissionais;
·         # O país conta hoje com cerca de 1,8 médico por mil habitantes e o governo federal trabalha com a ideia de chegar a 2,5 por mil;
·         # A carência é sentida principalmente por prefeitos e governadores, que não conseguem manter um quadro de profissionais compatível com a demanda e com seu orçamento;
·         # O perfil do médico do século XXI é aquele capaz de manter permanentemente atualizado e de trabalhar articuladamente com uma equipe multiprofissional e com outros setores da sociedade, investindo na promoção e proteção da saúde, de modo integrado ao meio ambiente e às sociedades.

      Do Caderno Especial da Folha de São Paulo.

sexta-feira, 15 de maio de 2015

O Museu do Imperador

Sobrado Portinho, o Museu do Imperador
Desenho: Cleiton Leal
Prédio 'Fazendas Irapuá'
Foto: Jornal do Povo

O MUSEU DO IMPERADOR*
Renate Elisabeth Schmidt 
Professora de História

         Andam dizendo por aí que o ano novo finalmente começou. Como sempre, o ano que passou foi intenso, rápido com picos no Everest ou nas profundezas da Fossa das Marianas. Nem tanto aos céu, nem tanto ao mar, e entre um e outro, o entrevero de sempre afinal, saber viver não é para qualquer um.
         Um acontecimento ficou retido na alma dos cachoeirenses: o inédito Natal de 2014, que agraciou Cachoeira com um arranjo no qual patrimônio tombado e restaurado, luzes e rouxinóis natalinos, com um toque de fogos celestes, roubaram a cena no cômpito da Sete com Ernesto Alves. Escrevo sobre momentos marcantes que aconteceram numa colina de outrora.
         A majestosa edificação iluminada, cantante, derramava encantamento numa cascata cristã de fé. Bem ali foi,o momento Cachoeira da Natividade do Menino recém-nascido, cercado de marias e josés enlevados e recolhidos às suas emoções
         Findo o momento mágico, desci a Sete quando aproximei-me da Praça José Bonifácio e vi extática o Mercado Público, construído em 1882, igualmente esbanjando notas natais, cachopas de brilhos, revelando-se tal qual o prédio Fazendas Irapuá. Suas portas delimitavam o passado e o presente, quando então a quimera refugiou-se nalgum escaninho do pretérito.
Mercado Público
Foto: Museu Municipal
Inserção dos fogos no postal: Claiton Nazar

         Imantada pela aparição, a direção oeste me atraiu, para a Saldanha e quando estranhamente uma troika foi completada:  em delicados clarões, as esculturas de faiança portuguesa faiscavam nos tons do Natal bem no topo do Sobrado Portinho, numa irrefutável prova do bom gosto dos fantasmas do casarão, naquele momento surreal  - o “Museu do Imperador”! Museu, quimera, Imperador, fuga, imagem ...
         Os acordes finais do conflito farrapo trouxeram o Imperador  Pedro II à Província de São Pedro e também a Cachoeira para checar, in loco, a Paz de Ponche Verde. O sobrado em 1846 e 1865 foi a casa de passagem do Imperador. E o lema da República Riograndense – Liberdade, Igualdade e Humanidade, Imperador, inspirou as decisões que se seguiram. E neste exato momento, segue firme e forte o axioma?
         E então?
         Então que grande parte da herança material, nascido na forja das rodas, no ritmo das ferraduras, arados, das chaminés, dos braços escravos e livres, do comércio, escambo, não existe mais.
         A demolição do onírico “Museu do Imperador” foi dramática. Dizem que ele estava em boas condições A senzala, localizada no térreo, recebia ar e luz das aberturas do tipo óculo. Décadas depois haviam sido alargadas, transformadas em barzinho, brechó, sapataria … Mas quem nasceu rei ...
         Nas janelas com vista para a Saldanha Marinho dependuravam-se senhoras curiosas, não sei se conscientes da importância do lugar onde elas viviam. O prédio viveu seu tempo de ouro, prata, cobre e entulho! Alguns dos azulejos salvos estão sob os cuidados do Museu Municipal, as compoteiras devem ter saído “caminhando”, assim como o “Relógio da Praça” rumo a uma estação ignorada. O luxo dela assim como as pinturas no teto ainda abastecem nossas lendas urbanas.
         Tanto por fazer aqui ...
         E então expliquem-me o porquê dos enxames de peregrinos voarem ao Velho Mundo e à 'América', para devorarem museus, ruínas e monumentos! Expliquem-me do porquê de irem à 'Florença do Elba', Dresden, torrada pelo 'Bomber' Arthur Harris, a fênix estropiada da Saxônia.
         O passado do Velho Mundo é de fato uma isca indiscutível, cujas abundantes sobras são resguardadas feito tesouros pelas gerações deste tempo.
Átila, o "Flagelo de Deus"
Rei dos Hunos (406 - 453)

Moeda do período do governo do rei Cnut, o Grande (995-1035), Rei da Dinamarca

         Nada de repassar contas e culpas de um continente afetado pela hecatombe das duas  guerras mais destrutivas da história a Assurbanipal, Alexandre,  Cnut, Genghis Khan, Átila, não senhores - “bárbaros, ímpios, hereges e selvagens”, sedentos de terras, escravos e riquezas. 
Genghis Khan, o líder mongol
Monumento, Ulan Batoor, Mongólia

A história provou direitinho que as piores das piores aconteceram no século XX, no Velho Mundo, organizado, disciplinado, avançado e cristão. Lembrem 1914 e 1939, cujos senhores da guerra eram da finíssima cepa europeia!

Assurbanipal,último rei assírio
668 - 627 a.C.

         Longe deste “Guinness Book” bélico e do lado oeste do Atlântico, fica minha cidade natal cuja paisagem histórica continua encolhendo – consequência de uma barafunda de interesses.
         Pelo meu gosto especial pelo antigo, um dia partirei para Dresden, também darei uma esticada ao Museu Hermitage em São Petersburgo, Rússia. No retorno visitarei a histórica Rio Pardo, que conservou a edificação que hospedou o imperador que também esteve lá na mesma época daqui.
Museu Hermitage, São Petersburgo (antiga Leningrado), Rússia

Furstenzug, Dresden, Baixa Saxônia
Mural dos Príncipes
O mural mostra os retratos ancestrais de 35 margraves (título medieval),
eleitores, duques e reis da Casa de Wettin entre 1127 e 1904.