Orgulho!

Orgulho!

sábado, 28 de janeiro de 2012

WALACHAI E BELAS IMAGENS DOS BASTIDORES

LOCALIZAÇÃO


Mapa cedido por Claiton Nazar.
Os desenhos das edificações foram feitos por crianças da região.


BASTIDORES

Algumas imagens dos bastidores do documentário Walachai!
Rejane Zilles prepara uma edição do famoso livro do professor João Benno Wendling!
Todas as imagens são de autoria do grupo que realizou o documentário sob a batuta de Rejane Zilles.


Grupo que realizou o documentário Walachai

O professor João Benno Wendling contando suas histórias ...

Rejane Zilles e a tocadora de sino





P

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

IMAGEM MAGNÍFICA

IMAGEM COMPARTILHADA DO FACEBOOK

Sinceramente não sei quem foi a primeira pessoa a postar a fotografia.
Mas só sei que não resisti e para variar um pouco, vou então tirar o foco do patrimônio edificado (e denotado/nando) para o natural, para relaxar ...
Foto do veterinário cachoeirense Dr. Edson Salomão que já perdeu há muito tempo a conta de quantos animais domésticos e silvestres já curou e salvou.
Esta imagem ímpar me emocionou e fiz questão de compartilhá-la.
E não deixa de ser, infelizmente, um alerta para o que está acontecendo por aí.
Todo incêncio realizado nas matas nativas, campos, matas ciliares, enfim, é devastador e contribuirá para acelerar a extinção de grande parte das espécies animais que ainda existem. Alguém sabe a espécie deste felino?
Para mim é simplesmente, "gato do mato". Estou errada?

R: o cachoeirense José Delmar Oliveira Esber viu a imagem e contou: é a onça (ou oncinha?) Brisa do Zoológico Municipal, sua mãe está na jaula do lado. Obrigada José Delmar, valeu!




Sensacional!
Vou sugerir à PATRAM que dê um "UP" nas suas imagens antigas e acrescente esta!

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

A ESTAÇÃO QUE FOI PRESERVADA E QUE DEU CERTO

Porto Alegre, 23 de janeiro de 2012.
Oi mãe!
Já não consigo lembrar quantas vezes tentamos imaginar como seria a vida em Cachoeira do Sul se a estação tivesse sido preservada. Agora, vou apresentar uma história que foi um tanto diferente. Na pior das hipóteses, ela lançará algumas luzes na nossa imaginação!
Cícero Vicente S. de Aguiar


Breve histórico (retirado da Wikipédia)

A Estação de Bento Gonçalves é uma estação de trens turísticos localizada no município gaúcho de Bento Gonçalves.


A estação foi inaugurada pela Estação Férrea de Carlos Barbosa a Bento Gonçalves em 1919, como ponto final do ramal de Bento Gonçalves. Logo em 1920, a Viação Férrea do Rio Grande do Sul passou a administrar a linha. O ramal foi desativado para trens de passageiros regulares em 1976.



Pouco tempo depois, por volta de 1978, uma trem turístico foi inaugurado pela RFFSA, conhecido como "Trem do Vinho" ou ainda "Trem da Uva", em referência ao Vale dos Vinhedos, onde se encontra.



Seu percurso iniciava em Carlos Barbosa, passava por Garibaldi, Bento Gonçalves e terminava em Jaboticaba.

Maria Fumaça

Em 1993 foi retomada a operação da linha no trecho Bento Gonçalves - Garibaldi - Carlos Barbosa pela empresa Giordani Turismo, com o objetivo de operar o passeio turístico de trem a vapor, mais conhecido como "Maria Fumaça". Atualmente o trecho entre Bento Gonçalves e Jaboticaba está abandonado.


O passeio de Maria Fumaça é uma grande atração na Serra Gaúcha. Os turistas são recepcionados com vinho na estação de Bento Gonçalves. São 23 quilômetros de percurso e uma hora e meia de duração.


Durante o passeio, há apresentações de um coral típico italiano, com show de tarantela*, teatro, repentista e também pelos gaúchos.

Em Garibaldi há uma recepção com música gaúcha e italiana, além de degustação de espumante e suco de uva. No destino final, Carlos Barbosa, também acontecem apresentações de música italiana.



* Dança italiana muito rápida do século XVIII. É dançada por um ou mais pares, e torna-se mais rápida à medida que vai avançando. Seu nome deriva da cidade de Taranto, no Sul da Itália, da aranha venenosa (tarântula) que lhe está associada e do tarantismo (doença originada pela a mordedura da tarântula, que provoca movimentos histéricos de dança). Duas superstições sobrevivem: em uma delas, a tarantela é vista como manifestação da loucura induzida pela a mordedura da aranha; na outra, é recomendada como antídoto para os efeitos venenosos da mordedura.
Fonte: Dança Tarantela


Porto Alegre, 25 de janeiro de 2012.

Oi mãe!
Acho que vale um texto autoral, o da wikipédia é meio burocrático.
Que legal né? Lembrando que, quando Cachoeira do Sul estava no auge, Bento Gonçalves era apenas um bebê. A população de Bento em 1950 era de 22.000. A de Cachoeira era 95.000. Hoje, a de Cachoeira é de 83.000 e a de Bento 107.000. Bento Gonçalves está entre as 10 maiores economias do estado e é um dos maiores destinos turísticos da Região Sul. Cachoeira ninguém quer ver, ninguém quer estar.
Bem feito!
CVSA



PS: mesmo estando escrito o que todo mundo pensa, retirei do último parágrafo do texto original algumas palavras "fortes". Pensei melhor e percebi que não contribui em nada o excesso de sinceridade. Precisamos multiplicar forças, isto sim e em PG - progressão geométrica. Custei, custei mas aprendi com a minha querida professora Valmy Bartmann PA ePG. Valeu, professora!
RESA











PATRIMÔNIO PERDIDO EM 1975

Observe com seus próprios olhos e tire suas próprias conclusões ...

Prefeito da época: Pedro Germano
Secretário de Obras: Jorge Ilha

The Railway Station Cachoeira was open in 1883
and
irresponsibly demolished in 1975.

















Imagens: Eduardo Minssen, Elizabeth Thomsen, Museu Municipal Patrono Edyr Lima, Ricardo Radünz, Osni Schroeder

ESTE PATRIMÔNIO ESTAMOS PERDENDO ...

ESTAÇÃO FERREIRA

Vamos ficar de braços cruzados, deixando o circo pegar fogo? Fingir que não é da nossa conta? E depois chorar sobre o leite derramado e dizer:
que pena, era tão bonitinha ...









Flagrante feito por Eduardo Minssen:
roubo das telhas de zinco à luz do dia na Estação Ferreira

CRÉDITO DAS IMAGENS:

Claiton Fernando Nazar
COMPAHC
DEFENDER
Elizabeth Thomsen
Renato Thomsen

GENEALOGIARS - PORTAL RECÉM CRIADO


Recebi ontem via e-mail uma notícia e tanto ...

Olá estimados amigos
Tenho o prazer de comunicar de que o site está no ar.
Ainda tem muitas coisas para serem implementadas, mas já é um início.
Data: 05/12/2011

Nélio Schmidt


VISITA À DIOCESE (ICAR), CACHOEIRA DO SUL

Pesquisadores fotografam livros de acervos

Na semana dos dias 5 a 9 de dezembro estiveram na Diocese os colegas Adriana Weber e Nélio J. Schmidt para fotografar dezenas de livros nos quatro dias. A Diocese possui um enorme acervo com mais de 600 livros eclesiásticos, na sua maioria em bom estado. Os mais danificados pelo tempo estão sendo recuperados pelo Arquivo Histórico de Cachoeira do Sul, que também está fazendo a identificação de todos os demais livros com uma cinta de cartolina identificada. Nossos parabéns a este grupo de profissionais chefiados pela Sra. Ione Maria Sanmartin Carlos. É um acervo que mereceu a intenção de um tombamento digital, por nossa parte.

Imagem: Nélio Schmidt

Fonte: GenealogiaRS

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Andre Rieu & Australian Pipe Band - Scotland the Brave & Amazing Grace 2008

Não sei o que é mais lindo: o hino nacional da Escócia tocado com toda a pompa das bagpipes escocesas ou o hino protestante Amazing Grace. Páreo sem perdedor!
Vale conferir, é difícil não chorar ...

TELMO LAURO MÜLLER

Na manhã de segunda-feira, 09 de janeiro, faleceu no Hospital Centenário em São Leopoldo, aos 85 anos, vítima do Mal de Alzheimer, o historiador, educador, professor, museólogo e escritor Telmo Lauro Müller. Foi um dos idealizadores e, por várias décadas, diretor do Museu Histórico Visconde de São Leopoldo na cidade-berço da imigração alemã, no Vale do Rio dos Sinos, 27 km ao Norte de Porto Alegre, RS.

Comentário no blog História de Cachoeira do Sul do Núcleo de Cultura de Cachoeira do Sul sobre a triste notícia:

http://www.historiadecachoeiradosul.blogspot.com/2012/01/morte-do-professor-e-historiador-telmo.html




O Prof. Telmo no inverno de Tiefenbach,
terra de seus antepassados na Alemanha



PROFESSOR TELMO LAURO MÜLLER


A notícia de sua morte, no portal BrasilAlemanha, difundida pela mala direta BrasilAlemanha/Neues para mais de 73 mil assinantes ao redor do mundo, deixou um saldo de dezenas de mensagens registradas através do mecanismo "Deixe aqui seu comentário", inserido no final da matéria.

No portal BrasilAlemanha foi divulgado um currículo detalhado, gentilmente preparado por Camila da Rosa, do Museu Histórico Visconde de São Leopoldo, casa que reúne a história da imigração alemã no RS.

Curriculum Vitae e a notícia publicada no site oficial da Prefeitura de São Leopoldo, que decretou luto oficial por três dias.

Curículo
Nome: Telmo Lauro Müller
Nascimento: 17 de setembro de 1926
Localidade: Lomba Grande
Município: Novo Hamburgo
Naturalidade: Rio Grande do Sul
Nacionalidade: Brasileira
Filiação: Frederico Adolfo Müller e Elly Müller
Títulos:
Bacharel em Geografia e História – Dipl. nº 4000/MEC
Licenciado em Geografia e História – Dipl. nº 5410/MEC
Historiógrafo – Concurso Público S.E.C.RS / Janeiro 1975
Museólogo – Registro nº 25/1985 – D.R.T. / P.A.
Registros:
Ministério da Educação e Cultura
Diretoria do Ensino Secundário
Reg. nº F- 4943: Geografia e História
Reg. nº D- 25664: Português
Reg. nº 7473: Diretor de Estabelecimento de Ensino Secundário
Ministério da Educação e Cultura
Diretoria do Ensino Comercial
Reg. nº 1059: Geografia e História
Secretaria de Educação e Cultura, RS
Superintendência do Ensino Primário
Reg. nº 3692d
Cursos
Primário: 2 anos em escola colonial, em Lomba Grande, Novo Hamburgo, RS
Colégio Elementar, São Leopoldo 1940
Secundário: 1º ciclo, Ginásio Sinodal, São Leopoldo, 1944
2º ciclo, Colégio Estadual Júlio de Castilhos, Porto Alegre, 1947 – Curso Clássico
Superior: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1951.
Bolsa de estudos, República Federal da Alemanha, 1º semestre 1973: ensino da História e Museologia.
Exame d Suficiência em Português – Inspetoria Seccional de Porto Alegre, 1957.
IX Ciclo de Estudos da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Gerra: “ Segurança Nacional e Desenvolvimento”. Porto Alegre. 28/07 a 06/12/1971.
Curso de Extensão Universitária: “ O indígena americano”, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras ( Unisinos), São Leopoldo, 19/09/1965.
“ Uso Educacional de Museus e Monumentos”, Museu Imperial, Petrópolis, RJ, 4 a 9 de julho de 1983.
“Preservação do Patrimônio Cultural e Natural do Município”, Instituto Brasileiro de Administração Municipal ( IBAM), Rio de Janeiro, 5 a 7 de dezembro de 1983.
Curso de Extensão Universitária: “ História Contemporânea do Brasil”, Unisinos, 1971.
Cargos e funções:
- Professor primário, Instituto Rio Branco, São Leopoldo, 1948 a 1952.
- Professor e diretor, Instituto Rio Branco, São Leopoldo, 1952 a 1956.
- Professor de Escola Normal Evangélica, São Leopoldo, 1950 a 1953.
- Professor do Colégio Sinodal, São Leopoldo, 1955 a 1956.
- Professor na Fundação Evangélica, Novo Hamburgo, 1956 a 1975.
- Inspetor de Ensino, Secretaria de Educação e Cultura.
- Secretário do Conselho Sinodal de Educação, 1964 a 1966.
- Presidente do Conselho Sinodal de Educação, 1967 a 1970.
- Membro da diretoria do Distrito Eclesiástico São Leopoldo da IECLB, de 1950 a 1969.
- Membro da diretoria regional, IV Região, IECLB, 1969 a 1977.
- Secretário dos concílios da IECLB, 1966, 1968, 1970, 1972.
- Secretário da Comunidade Evangélica de São Leopoldo, 1975/77, 1977/79.
- Presidente do Instituto Histórico de São Leopoldo desde 1975.
- Coordenador do Pólo Cultural São Leopoldo(São Leopoldo, Sapucaia, Portão, Estância Velha, Ivoti) da Secretaria de Cultura, Desporto e Turismo, 1982.
- Professor, Instituto Rio Branco, São Leopoldo, 1975 a 1989.
- Professor lotado na 2º Delegacia de Educação de São Leopoldo.
- Coordenador dos Simpósios de História da Imigração e Colonização alemãs no Rio Grande do Sul, São Leopoldo, 1974, 1976, 1978, 1980,1982,1984,1986,1990,1992,1994.
- 1º Secretário da Associação Rio-grandense de Museologia, Porto Alegre, 1985.
- Membro da Associação dos Ex-Alunos do Colégio Sinodal, São Leopoldo, 1984/88.
- Coordenador da Sub-Comissão de Assuntos Históricos e Culturais da Comissão Estadual dos Fstejos do Sesquicentenário da Imigração Alemã, Porto Alegre, 1974.
- Vice-presidente da Comissão Estadual dos Festejos dos 160 anos da Imigração Alemã, Porto Alegre, 1984.
- Membro da Comissão Municipal do Centenário de Lindolfo Collor São Leopoldo, 1990.
- Coordenador do Simpósio de História da Igreja, São Leopoldo, 23 e 24 de maio de 1986.
- Membro da Comissão Estadual “170 anos da Imigração Alemã”.
- Membro da Comissão Municipal de São Leopoldo “ 170 anos da Imigração Alemã”.
- Coordenador da Comissão municipal de SL que organizou a vinda.
- Membro da Comissão de criação do Conselho Municipal de Cultura de São Leopoldo, 1995.
- Coordenador da Comissão de Implantação do Conselho Municipal de Cultura de São Leopoldo, 1996.
- Membro da comissão organizadora da Programação dos 150 anos de instalação da Câmara de Vereadores de São Leopoldo, 1996.
- Coordenador de todos os Simpósios de História da Imigração Alemã até 1996.
- Membro efetivo do Conselho Municipal de Cultura, São Leopoldo, representante dos Museus e Arquivos, nomeado pelo Prefeito Municipal, Portaria nº 28950, 16/07/1996.
- 1º Presidente do Conselho Municipal de Cultura, São Leopoldo, eleito em 04/09/1996.
- Sócio Benemérito da Sociedade de Cantores Arroio da Manteiga, São Leopoldo, diploma de 13/09/1996.
- Presidente do Conselho Municipal de Cultura, reeleito em 23/07/1997.
- Membro da Comissão Municipal dos 175 anos da Imigração Alemã, São Leopoldo, Portaria Municipal nº 32224 de 03/12/1998, sendo eleito seu presidente na primeira reunião da Comissão.
Publicações:
Livros:
- “Cozinha Alemã”, Receituário, 1976, Ed. Rotermund, 16 páginas
- “Colônia Alemã – Histórias e Memórias”, 1978, Ed. UCS/EST, 149 páginas
- “Monumentos em São Leopoldo”, 1979, Ed. Rotermund, 83 páginas
- “Colônia Alemã – Imagens do Passado”, 1981 Ed. EST, 112 páginas
- “Colônia Alemã- 160 anos de História”, 1984 Ed. EST/EDUCS, 127 páginas
- “Sociedade Ginástica São Leopoldo – cem anos de História – 1885-1985,1986. Ed. Rotermund, 150 páginas
- “Herança de Geração em Geração”, 1988, Ed. Rotermund, 159 páginas
- “Amor ao Próximo”, 1990, Ed. Rotermund, 176 páginas
- “Nacionalização e Imigração Alemã”(organizador), Ed. Unisinos, 1994
- “1824 Antes e Depois, Ed. Metrópole, 1994, 24 páginas
- “Imigração e Colonização Alemã(organizador), Ed. EST, Porto Alegre,1980
- “História da Imigração Alemã para Crianças”, trilíngue ( Português, Alemão e Dialeto), 1996, Ed. EST
- Sesquicentenário da Igreja Evangélica de Lomba Grande, 1998 (Coord.)
- “1824 Antes e Depois” Ed. Amstad, Nova Petrópolis, 1999, 2º edição (Português)
- “1824 Vorher Nachher” Ed. Amstad, Nova Petrópolis, 1999, 1º edição(Alemão)
- “Os imigrantes alemães e a sua cozinha”, Editora Amstad, Nova Petrópolis, 1999
Colaborações
- Administração e Supervisão na Escola Primária, Dalilla C. Sperb, Ed. Globo Porto Alegre, 1963
- Problemas Gerais de Currículo, Dalilla C. Sperb, Ed. Globo, Porto Alegre 1966
- Das historische Institut Von São Leopoldo und die Erforschung der deutschen Einwanderung, em Brasilien die Neue Welt, Verlag A. F. Koska, Wien/Berlin, 1986
- Contribuição para a História de Nova Petrópolis, Prefeitura Municipal de Nova Petrópolis, Ed. EDUCS, 1988
- Almas que falam, coletânea do Centro Literário de São Leopoldo, Orvalho Andaluz Editora, PA, 1996
- Nós, os teuto-gaúchos, Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1996
- Sociedade Orfeu- Da história de um nome à identidade de um clube, Elda Luz Ramos, Mirian Fialkow, José Carlos Eggers, 1998( deve estar em citações)
- São Pedro de Alcântara , Aspectos de sua história, 1999, pág. 161
- Grupo de Bolão Tiradentes, Ribeiro Pires, 1999, pág 18
- A Serviço da Vida, Escola Superior de Teologia, São Leopoldo, 1999, página 48
- 2º Simpósio Raízes do Vale do Alto Taquari, Lajeado, 1998, pág. 69 / nossa identidade”.
- Agradecimento no livro “ Vir, viver e talvez morrer em Campinas” de Andrea Mara Souto Karastojanov, Campinas, 1999, pág 16
- Imigração Alemã, in Terra de Areia – Marcas do tempo, Nilza Huyer Ely, 2000 – pág 20, foto, pág 21 texto ( Marcas do Tempo)
- in Mulher, vida e Consiência, Doroti Prato, 1999
Citações
- in Órgãos de Tubos no RGSul, Ane Schneider, 1995.
- in Anais do V Congresso Nacional da FECAB, 1995,pág 9
- in “ Hunsrückisch in R.G. do Sul”, tese de doutorado de Cléo Vilson Altenhofen, Mainz, Alemanha, com citação de 3 livros: Colônia Alemã – Histórias e Memórias; Colônia Alemã – 160 anos de História, Nacionalização e Imigração Alemã
- in Imigração e Luteranismo em Santa Catarina, - João Klug, 1994 bibliografia pág 235
- In Campo Bom: História e Crônica – Guido Lang, 1996 Bibliografia, pág 157
- Mucker – Fanáticos ou Vítimas, Antõnio M. Galvão, 1996 Bibliografia pág 107
- in Os imigrantes alemães no RGS e o Luteranismo – Walter O. Steyer, 1999
- in “Raízes” de Maria Eunice Müller Kautzmann, 1998
- in “Cemitérios das Colônias Alemãs”, 1985, Werner Dullius
Condecorações
Verdienstkreuz am Bande (Cruz do Mérito) da República Federal da Alemanha, 11/07/1988 – pelo estudo, ensino e registro da história da imigração alemã no Rio Grande do Sul e pelo estreitamento das relações entre a República Federativa do Brasil e República Federal da Alemanha.
Educador Emérito, Estado do Rio Grande do Sul, 22/11/1988, como reconhecimento aos relevantes Serviços prestados à causa da Educação.
Medalha Negrinho do Pastoreio, Estado do Rio Grande do Sul, diploma em 30/08/1996, pelos relevantes serviços que tem prestado ao Estado em favor da pessoa humana.
Irmãos:
Nelson Ernesto Müller
Kurt Elvino Müller
Telmo Lauro Müller
Harriet Helmuth Müller
Heliet Carmem Müller(Santini)
Lilian Ruth Müller(Comerlato)
Asta Hedwig Müller(Bérgamo)
Ricardo Paulo Müller

Filhas:

Denise
Elaine

Netos:
Carolina Müller Jung (Denise)
Fernando Müller Jung (Denise)
Márcia Klumb (Elaine)



São Leopoldo rende homenagens a Telmo Lauro Müller

São Leopoldo está de luto. Faleceu na manhã de segunda-feira (09). aos 85 anos, o historiador, professor, escritor e museólogo Telmo Lauro Muller. "A morte de Telmo é uma perda irreparável para a nossa cidade do ponto de vista cultural e histórico. Ele ajudou a construir a identidade de São Leopoldo, contribuindo para transformar o município no que ele é hoje", conclui o prefeito Ary Vanazzi.

Considerado uma das maiores referências da história alemã no Brasil e, principalmente, em São Leopoldo, Telmo Müller foi o idealizador e fundador do Museu Histórico Visconde de São Leopoldo, juntamente com Germano Moehlecke e Henrique Prieto. Era referência na luta pela preservação histórica e percussor em pesquisas sobre a história da imigração alemã do ponto de vista de costumes, hábitos e tradições.

Telmo Müller estava internado no Hospital Centenário desde o dia 02 por complicações causadas pelo Mal de Alzheimer. O adeus ao mestre da História ocorreu na manhã de ontem, e foi marcado pela emoção e tristeza daqueles que acompanharam e admiraram a trajetória deste grande homem.

Homenagens - O Museu do Trem, carinhosamente presta sua homenagem ao ilustre mestre historiador: durante três dias a bandeira da cidade ficará hasteada a meio pau.
O pastor e amigo de longa data, Dieterico Krause celebrará culto em memória de Müller no domingo, 22 de janeiro, na Igreja do Relógio.

O prefeito Vanazzi decretou luto oficial de três dias.

Fonte:
www.saoleopoldo.rs.gov.br - site oficial da Prefeitura de São Leopoldo, RS




sábado, 21 de janeiro de 2012

REAVIVANDO A MEMÓRIA ...

LEMBRETE

Aos cachoeirenses que aqui permanecerão durante as férias, ou aos que afortunadamente seguirão viagem para algum belo e inesquecível lugar, não deixem de adquirir para si ou levar junto para presentear amigos ou parentes este DVD histórico.

Custa somente 10 reais, uma pechincha pra um trabalho tão dedicado e primoroso realizado pelo Claiton Fernando Nazar. Está à venda no Museu Municipal Patrono Edyr Lima:

Sítio eletrônico, endereço e telefone do Museu:

museu@museucachoeira.com.br

Parque Municipal da Cultura

Rua Dr. Silvio Scopel, 502 - CEP 96.506-630

Cachoeira do Sul – RS

Telefone (51) 3724.6017

OBS: a renda é revertida ao Museu Municipal.

Claiton no Jornal do Povo:

Três perguntas para Claiton Fernando Nazar

Edição de 7 de novembro de 2011

56 anos, engenheiro agrônomo

1. Que trabalho é esse que o senhor está realizando junto ao Arquivo Histórico?
"Colaboro com o projeto de resgate das memórias fotográficas familiares, auxiliando na coleta de fotos e documentos antigos de famílias e também de empresas familiares, oferecidos pelos seus descendentes e/ou sucessores. Este material está compondo um banco de dados junto ao Arquivo Histórico e Museu Municipal com a finalidade de preservar a história dos construtores de nossa cidade. Como desde a década de 70 coleciono fotos antigas sobre aspectos urbanísticos de Cachoeira do Sul, agora aposentado retomei este passatempo. Fui convidado a participar como voluntário deste projeto. Aceitei, pois achei importante preservar a memória da sociedade, pois muito está se perdendo com o passar do tempo".

2. Quais bancos de fotografias de famílias já fizestes?
"Não sei se podemos divulgar pela imprensa os nomes das famílias, pois não lembramos de pedir autorização específica para isto. Mas os dados estarão futuramente à disposição para consulta e pesquisa no Arquivo e no Museu. Muitas famílias já emprestaram ou doaram fotos e documentos para serem copiados e outras tantas estão agendadas para serem visitadas nas próximas semanas. Quem quiser participar, oferecendo estes materiais, basta entrar em contato com estas entidades".

3. Quando despertou teu interesse em fotografar?
"Como fotógrafo amador, pratico desde a década de 60. Tive meu próprio laboratório em casa. Agora pretendo continuar a pesquisa de acervos históricos do Rio Grande do Sul. Inclusive participei na semana passada do Seminário de Fotografia e Bens Culturais, promovido pelo gabinete da primeira-dama do estado, Sandra Genro, que foi o embrião do projeto que visa a transformar o Palacete Santo Meneghetti em um polo de fomento à fotografia cultural e uma central dos acervos fotográficos históricos do estado".





quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

O MISTÉRIO DA SALA QUE NÃO EXISTE



Notícias > Cidade > CURTAS
LEI OFICIALIZA HOMENAGEM A FRITZ

O vereador Leandro Balardin está propondo projeto de lei que oficializa homenagem em memória ao historiador e pesquisador Fritz Strohschoen, falecido ano passado. A proposta apenas torna lei decisão tomada pelo meio cultural da cidade há algum tempo, que é denominar oficialmente a sala destinada a estudos e pesquisas do Arquivo Histórico Carlos Salzano Vieira da Cunha como Sala Fritz Strohschoen.

Jornal do Povo, 17 de janeiro de 2012

Por motivos de pesquisa e trocas de opiniões com informações, passei a manhã desta data, 17 de setembro, no Arquivo Histórico Carlos Salzano Vieira da Cunha. Naquela manhã ainda em casa, eu havia lido esta "notícia curta" no jornal.

Fiquei com a pulga atrás da orelha, e entre outros assuntos perguntei pelas duas salas e o que encontrei na verdade, foram DUAS PLACAS e UMA SALA!
Aliás, venho há tempo comentando que o Arquivo Histórico não está num lugar adequado. O prédio assemelha-se a um BUNKER. Perto dali, próximo à Igreja da Matriz há uma linda casa antiga à venda razoavelmente bem preservada.

Então agora vou sonhar um pouco a minha utopia - imaginar o nosso VALIOSÍSSIMO Arquivo instalado neste local. Cachoeira não merece? Tudo a ver, um Arquivo Histórico morando numa charmosa casa antiga. Mas é claro, restaurada ... Nada de entregar nossa história aos morcegos, traças, cupins e baratas que devem povoar o local.
Saravá!

Imagens: Renate Aguiar


Postais antigos e encantadoramente lindos encontrados no Arquivo Histórico. São da década de 1920, a década do CRASH da Bolsa de Nova Iorque que empurrou os EUA e um bom naco do mundo e o Brasil também, para uma crise assustadora.


PRESENTINHO (ÃO)!





Solicito às pessoas que copiarem estas imagens que o façam com a citação da fonte, isto é, Arquivo Histórico de Cachoeira do Sul Carlos Salzano Vieira da Cunha. Obrigada!

domingo, 15 de janeiro de 2012

WALACHAI

Retorno ao documentário WALACHAI e insisto para que o vejam.
O lugar, devido ao seu isolamento, manteve costumes dos antepassados imigrantes bem como desenvolveu um dialeto próprio.
O alemão de Walachai não é entendido pelos próprios alemães e vice-versa.
Muito interessante!


"Não sei se você sabe, mas antes de fazer o meu filme WALACHAI, fiz um curta metragem sobre a estória do professor e seu livro. Você pode assistir no link:"
www.vimeo.com/5647512
R.Z.










COMO CHEGAR A WALACHAI:


Fragmento do comentário de um casal de amigos alemães para o qual enviei o documentário:

"Wir haben aber den Eindruck, dass die Leute sehr glücklich sind mit ihrem Leben."

Nós temos a impressão que as pessoas são felizes com as suas vidas neste lugar.



Rejane Zillmes com o incentivador do seu trabalho, Nélio Schmidt